Grupo de Teatro de Ponta Grossa estreia nova peça

Na ultima quarta-feira (16) o GTPG, Grupo de Teatro de Ponta Grossa, estreou a peça “A Maquina de somar”, do dramaturgo estadunidense Elmer Rice, com direção de Emerson Rechenberg. O texto, escrito em 1922, retrata o processo de mecanização do trabalho e das relações humanas no período pós revolução industrial de forma crítica e irônica. Pouco montado no país, o texto foi escolhido por significar a possibilidade da experimentação de novas linguagens estéticas no trabalho desenvolvido pelo GTPG. Para as apresentações, o hall de exposições do Centro de Cultura foi adaptado cenicamente para a montagem e cada sessão comporta 35 pessoas. A peça fica em cartaz até dia 23 de novembro, diariamente, as 20h. Classificação indicativa de 16 anos.

Sexta às Seis apresenta PG Town e MUM

A Prefeitura de Ponta Grossa segue com o calendário de apresentações do Projeto Sexta às Seis. Nesta semana, os shows ficam por conta das bandas MUM e PG Town. As apresentações acontecem no Parque Ambiental, ao lado do Sesc Estação Saudade. 

PG TOWN

Com influências de  RAP e o Soul – Mano Brown, Anderson Paak, Tim Maia, Racionais, Lauryn Hill, Jean Tassy, Flora Matos – o PG Town é composto pelos músicos Amanda Kristin (voz), Danilo Gabriel (bateria), Guile Santos (guitarra), Johnny Willian (baixo) e Juliano Gafanhoto (voz).

MUM

As principais influências de MUM vem da música erudita e do Indie Rock de Florence Welch e do pop folk de Aurora. O projeto é encabeçado pela artista Gabriela Cordeiro de Paula e atualmente sua banda de apoio é formada por Aline Garabeli (piano), Wlader Better (bateria), Walace (baixo), Vini (guitarra) e Lazuli (violino). 

Da Assessoria

Fenata apresenta peça ‘O Pequeno Príncipe’ para surdos e ouvintes com entrada gratuita

“Acessibilidade é como uma chave que abre uma porta, um banco que nos ajuda a trocar uma lâmpada queimada e iluminar em volta. É dar acesso a qualquer coisa a qualquer pessoa”. Helena de Jorge Portela, idealizadora do Fluctissonante e atriz.

A Mostra Infantil do Festival Nacional de Teatro (Fenata) apresenta uma das obras literárias mais lidas e cativantes do mundo, em uma encenação inclusiva, em Língua Brasileira de Sinais (Libras) e português. É a primeira vez que o festival apresenta um espetáculo com essa perspectiva da inclusão e da acessibilidade: não se trata de uma tradução simultânea, mas sim de uma peça bilíngue. ‘O Pequeno Príncipe’ será apresentada na quarta-feira, 9 de novembro, às 14h, no Teatro Marista, com ingressos gratuitos.

A montagem é uma adaptação no texto clássico do autor francês Antoine de Saint-Exupéry. Na peça, duas atrizes e um ator levam ao público a história do Principezinho que encontra um Aviador em meio ao deserto, narrando as aventuras que viveu nos planetas em que passou. É uma jornada de descobertas, recheada de aventuras incríveis a cada parada. O Pequeno Príncipe compartilha com o aviador – e com o público – as valiosas lições que aprendeu sobre amizade, honestidade, coragem e bondade.

O espetáculo é assinado pela Companhia Fluctissonante e celebra uma data importante para o diretor, Nautilio Bronholo Portela, que completa 50 anos de teatro. “Nós temos dois motivos para ficarmos muito felizes. Primeiro vamos apresentar O Pequeno Príncipe no Fenata, que é o festival mais importante que temos hoje no Brasil. E o motivo principal é que o Fenata está completando 50 edições e eu também estou completando 50 anos de teatro profissional. Vai ser uma dupla felicidade apresentar O Pequeno Príncipe Bilíngue no Fenata. Assistam, vai ser muito legal”.

O diretor explica que a peça conta com atores e atrizes surdos no elenco e dois intérpretes e tradutores acompanhando desde o primeiro momento da concepção do texto até depois da peça pronta, traduzindo o que os atores falam para as pessoas ouvintes e traduzindo o que se fala em português para as pessoas surdas. A atriz protagonista da peça, Catharine Moreira é surda e traz uma atuação poderosíssima para o palco.

“A peça é linda e maravilhosa, de um autor francês muito famoso. Mas, a maioria dos surdos desconhecem, pois não têm lugares artísticos acessíveis. Por isso a importância de divulgar a apresentação do teatro ‘O Pequeno Príncipe’. Todos ficam admirados e as crianças animadas”, afirma a atriz. Ela lembra que antigamente não havia legendas e nem intérpretes na televisão e agora no teatro. “Isso dá visibilidade ao surdo e mantém as crianças interessadas. São poucas as peças que têm acessibilidade e essa é uma oportunidade para vocês surdos de ter a arte acessível”.

A atriz e idealizadora da companhia, Helena de Jorge Portela, explica que todo o grupo compartilha e acredita na força da inclusão e da acessibilidade e isso foi levado em conta desde o início da preparação da peça.  “Existe inclusão em cena e fora de cena, porque tanto no palco quanto na plateia o público é misto, as pessoas não sabem quem é surdo e quem não é”, explica. Para ela, a acessibilidade acaba sendo boa para todos, com ou sem deficiência.

“Todos nós desejamos nos sentirmos incluídos. Se a gente coloca uma rampa na frente de um prédio, ela não será usada só por um cadeirante. Vai ajudar pessoas de bicicleta, com carrinho de bebê ou de supermercado. Ao trazer uma peça bilíngue ao palco, outras pessoas terão contato com Libras também”, finaliza Helena.

As atrizes Helena de Jorge Portela e Catharine Moreira em cena.

Serviço  ‘O Pequeno Príncipe’

Apresentação: 09 de novembro de 2022

Horário: 14h

Local: Teatro Marista

Entrada Gratuita

Sobre a Cia. Fluctissonante

O grupo teatral é um coletivo curitibano formado por artistas surdos e ouvintes que se dedicam à criação cênica contemporânea e bilíngue (Libras e Português). Seus projetos unem os públicos surdo e ouvinte nas plateias, assim, a companhia consolidou-se precursora nacional na criação em arte acessível.

Ao longo de sua trajetória, a Companhia produziu espetáculos para adultos como ‘Giacomo Joyce’ (2017) e ‘\TODAS/’ (2018) e também para a infância, como ‘Enquanto a Chuva Cai’ (2016) e ‘Conto Com Libras’ (2018). Em 2021, estreou sua quinta montagem, ‘Elevador’, com direção da artista convidada Georgette Fadel.

Em 2020, passou também a desenvolver projetos digitais como a websérie ‘Mulheres – Sinais de Suas Escritas’ e a versão online do espetáculo ‘Conto Com Libras’, além do show-cênico-musical ‘Origami – Músicas Para Ver e Ouvir’.

A companhia se apresentou e realizou ações em eventos como: Palco Giratório e Plataforma Cena (nacionais), Semana Modos de Acessar (SP), Projeto Narrativas do Silêncio (RN), Curitiba Mostra, Festival de Teatro de Curitiba – Oficial, Mostra Novos Repertórios, Mostra Claudete Pereira Jorge e Prêmio Arte Paraná (PR).

Texto: Sandrah Souza Guimarães / Fotos: Elenize Dezgeniski

Via site UEPG

Abertura do Fenata terá estrelas nacionais e surpresa para o público

A UEPG preparou intervenções artísticas para marcar o início da 50º edição do Festival

O espetáculo TUDO abre a Mostra de Teatro – 50º Festival Nacional de Teatro, neste dia 08 de novembro. A apresentação começa às 20h, no Cine-Teatro Ópera e traz no elenco nomes consagrados como Vladimir Brichta, Julia Lemmertz, Dani Barros, Marcio Vito e Claudio Mendes. A direção é assinada por Guilherme Weber (atualmente na novela Cara e Coragem/TV Globo) com produção da Quintal Produções, do Rio de Janeiro.

A apresentação em Ponta Grossa será a 51ª do espetáculo. “O convite para participar desse festival em uma data tão especial, obviamente era um convite irrecusável. Esperamos que vocês não só assistam nosso espetáculo no dia 08, mas que vocês acompanhem o festival e festejem esse momento tão especial, nesta data tão simbólica e tão expressiva”, declara o ator Vladimir Brichta (confira o recado do elenco especialmente para o público do Fenata).

A comédia TUDO é uma das mais aclamadas peças em circulação no país neste ano. De autoria do dramaturgo argentino Rafael Spregelburd, é composta por três fábulas morais (“como as de Esopo, porém sem animais”) que investigam o indivíduo em confronto com o poder a partir de três perguntas: Por que todo Estado se torna burocracia? Por que toda Arte vira negócio? Por que toda Religião se torna superstição?

A primeira apresenta um grupo de funcionários vivendo suas rotinas em uma repartição pública, quando começam a questionar valores e alguns comportamentos absurdos. A segunda mostra uma família num jantar de natal, onde os convidados só darão início à ceia após uma contundente discussão sobre valores absolutos e particulares do mundo contemporâneo. A terceira traz um casal e seu filho recém-nascido que fica doente em uma noite de tempestade.

Destaque no Festival de Teatro de Curitiba, onde fez sua estreia em abril deste ano, o espetáculo já foi visto por mais de 15 mil pessoas e é um dos mais comentados no Brasil em 2022 pela sua qualidade. TUDO está indicado em seis categorias do Prêmio Cesgranrio: melhor espetáculo, direção, ator, atriz, desenho de luz e cenografia. “Eu queria falar da minha alegria de estar participando das comemorações. Vai ser uma única apresentação com o espetáculo (…) e espero que vocês todos, todas e todes possam nos dar o prazer da presença nessa noite única de celebração”, convida a atriz Júlia Lemmertz.

“Escolhemos essa peça pelo sucesso que ela está tendo por onde passa, sendo uma comédia que fala sobre o nosso tempo, que gera reflexão de forma leve e divertida. Assim, o Fenata mostra que está antenado com o que de melhor está sendo produzido no teatro brasileiro”, conta Eduardo Godoy, produtor executivo do Fenata.

Os ingressos para o espetáculo de

abertura são limitados e estão à venda por R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia), no quiosque do Fenata, no Shopping Palladium, piso Térreo, em frente à Renner. O pagamento pode ser feito exclusivamente em dinheiro ou Pix. Para todas as outras apresentações da Mostra Adulta, às 20h, no Cine-Teatro Ópera, os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Inclusive para o espetáculo de encerramento, O Grande Circo Místico. Apresentações em outros horários e de outras Mostras são gratuitas.

Abertura em clima de comemoração

Além da peça especial de abertura, a organização preparou algumas surpresas para o público que estiver no entorno do Cine-Teatro Ópera. As atividades estão programadas para começar a partir das 19h30. Domitila Gonzalez é diretora artística da abertura do Festival e trouxe o desafio de trazer ações diferenciadas para encantar a população.

Domitila Gonzalez (ao centro) é a diretora artística da abertura e promete surpreender o público. Foto Renato Mangolin.

“Depois de tanto tempo longe ou acompanhando manifestações artísticas à distância, por conta do hiato causado pela pandemia da Covid-19 nas atividades culturais, precisamos lembrar de como é gostoso ir ao teatro. Lembrar de que o teatro existe, que está vivo e que é uma grande celebração. Por isso, convidamos quem estiver na frente do Ópera a fazer parte disso e celebrar conosco não só o retorno presencial do Fenata e sua 50ª edição, mas a toda potência que existe no encontro entre atores e público, entre festival e cidade”, afirma Domitila.

Nelson Silva Junior, coordenador geral do 50º Fenata.

Para o coordenador geral do Fenata e diretor de Assuntos Culturais da UEPG, Nelson Silva Junior, a tônica desta edição é a festividade para comemorar um dos festivais mais antigos do país, ininterruptamente apresentado e que traz a história de vida de muitas pessoas. “A programação para a abertura será para que as pessoas vejam e fiquem curiosas sobre o que está acontecendo, como se fosse uma festa de aniversário mesmo, colorida, alegre, com sorrisos e alegria. Vamos trabalhar com performances antes da abertura, brindes e coisas diferentes das edições anteriores”.

A Mostra de Teatro – 50º Festival Nacional de Teatro (Fenata) é realizada pelo Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e Fundação de Apoio à UEPG (FAUEPG), com patrocínio da GMAD, Deragro – empresa do Grupo Lavoro, Belgotex do Brasil, Tratornew e Shopping Palladium. Conta ainda com o incentivo da Prefeitura de Ponta Grossa, por meio da Secretaria Municipal de Turismo (Setur) e Conselho Municipal de Turismo (COMTUR). O Fenata tem o apoio da Secretaria Municipal de Cultura, Teatro Marista Pio XII, Fecomércio – Sesc Estação Saudade e Museu Campos Gerais; e promoção da RPC.

Texto Sandrah Souza Guimarães / Foto de capa: Annelize Tozetto

Via site UEPG

Ingressos para o Fenata estão à venda

A abertura do 50º Festival Nacional de Teatro (Fenata) será no dia 08 de novembro, em clima de comemoração ao meio século de evento. Os ingressos estarão à venda a partir desta sexta-feira, 04 de novembro, às 15h30, nos pontos de venda no Shopping Palladium e no prédio histórico da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Culturais (Proex-UEPG), que fica na praça da Catedral de Ponta Grossa.

O evento vai movimentar a cidade até o dia 13 de novembro, com apresentações em diversos espaços, como teatros, ruas, praças e escolas. No total, a edição conta com 84 apresentações, sendo 26 abertas ao público e 58 em escolas e instituições. Somente os seis espetáculos apresentados na categoria Teatro Adulto terão ingressos cobrados, sendo todo o restante com acesso gratuito à população. Durante os seis dias de festival, a expectativa da organização é de alcançar um público de mais de 25 mil pessoas.

Os ingressos para a peça ‘Tudo’, convidada para a abertura, serão comercializados a R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia). A apresentação será às 20h do dia 08 de novembro, no Cine-Teatro Ópera. No mesmo horário e local, nos dias seguintes, os quatro espetáculos selecionados para a Mostra Adulta terão ingressos a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) – mesmos valores que serão cobrados para o espetáculo de encerramento ‘O Grande Circo Místico’, no dia 13. A venda de ingressos será feita apenas com PIX ou dinheiro.

Confira os espetáculos da Mostra Adulta e garanta seu ingresso:

Tudo (peça convidada para a abertura)

Quintal Produções (Rio de Janeiro, RJ)

A comédia Tudo, de autoria do dramaturgo argentino Rafael Spregelburd, é composta por três fábulas morais, como as de Esopo, porém sem animais, que investigam o indivíduo em confronto com o poder a partir de três perguntas: Por que todo Estado se torna burocracia? Por que toda Arte vira negócio? Por que toda Religião se torna superstição?.

A primeira fábula apresenta um grupo de funcionários vivendo suas rotinas em uma repartição pública, quando começam a questionar valores e alguns comportamentos absurdos. A segunda mostra uma família em um jantar de Natal, onde os convidados só darão início à ceia após uma contundente discussão sobre valores absolutos e particulares do mundo contemporâneo. A terceira traz um casal e seu filho recém-nascido, que fica doente em uma noite de tempestade.

No elenco, estão Vladimir Brichta, Julia Lemmertz, Dani Barros, Marcio Vito e Claudio Mendes. A direção é assinada por Guilherme Weber (atualmente na novela Cara e Coragem, da TV Globo).

Cine-Teatro Ópera

8 de novembro de 2022, às 20h

R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

Vereda da Salvação

Cia. Beradeiro (São José do Rio Preto, SP)

Vereda da Salvação é uma incursão cênica na obra homônima de Jorge Andrade, um dos mais importantes dramaturgos brasileiros. O texto, escrito entre 1957 e 1963 é inspirado em um fato verídico ocorrido em 1955 no município de Malacacheta, Minas Gerais, trata de uma comunidade de trabalhadores rurais que, em sua busca por condições de vida minimamente dignas, mergulha no misticismo exacerbado de uma nova crença religiosa que a levará ao caminho da libertação.  O espetáculo é resultado de pesquisas sobre o realismo poético de Jorge Andrade e sobre os aspectos fundamentalmente coletivos e sociais desta obra.

Cine-Teatro Ópera

9 de novembro de 2022, às 20h

R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

Caravela da Ilusão 

Espaço Núcleo (Limeira, SP)

Uma família se vê perdida em uma ilha após um terrível naufrágio, vivendo em um ciclo repetidamente quando um dia suas vidas tomam um novo rumo com a chegada de um misterioso anjo. Vó Altina, Pelayo e Jardel, veem o pobre mensageiro, como uma forma de angariar fundos e se livrar de uma vida de misérias. Explorado pela família e pelo capitalismo, um dia, o velho Anjo se rebela mostrando sua verdadeira identidade e sua missão para aquele povo esquecido pelos deuses. Recheado de comédia e cantigas populares, o espetáculo “Caravela da Ilusão” conta a saga de uma família em sua passagem para um outro mar.

Cine-Teatro Ópera

10 de novembro de 2022, às 20h

R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

Leões, vodka e um sapato 23 

Cia de 2 (São José dos Campos, SP)

Um show musical, um resto de banda, um resto de circo, um pedaço de lona e uma sobra de vodka em meio a murmúrios russos e rugidos felinos. Uma autopsia atemporal de quatro leões bufos que nos convocam ao testemunho de sua própria morte, de sua miséria e dos dias de fome na jaula de um circo.

O grupo desenvolve o espetáculo Leões, Vodka e um Sapato 23, em 2019, a partir da tragédia do circo Vostok, que ocorreu em 9 de abril de 2000, pela ótica improvável de quatro Leões mortos naquela noite. A montagem propõe revisitar o acontecimento ampliando-o e refletindo-o para nossa própria condição de miserabilidade humana, convergindo a bufonaria, o circo e a estética da própria Cia de 2.

Cine-Teatro Ópera

11 de novembro de 2022, às 20h

R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

Cão chupando manga 

Teatro de Anônimo (Rio de Janeiro, RJ)

‘’Cão chupando manga” é um exercício cênico que mistura teatro, circo, dança e artes plásticas num jogo poético sustentado pela técnica da palhaçaria e pela arte da bufonaria. A cena – um movimento solo – é alimentada pelas reflexões de um artista que, envelhecendo, se compara a um vira-lata que atravessa as ruas sem pressa, observando pessoas e cheirando coisas, ou vice-versa, mas também que se coloca em prontidão, ou em posição de ataque, quando vê ameaçada sua dignidade.

O performer Fábio Freitas estabelece uma divertida e intensa conversa com a plateia, partindo de suas lembranças e outras histórias ficcionais, que procuram provocar  sensações e reflexões acerca de nossas humanidades, abraçando os bichos que nós também somos.

Cine-Teatro Ópera

12 de novembro de 2022, às 20h

R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

O Grande Circo Místico (espetáculo de encerramento)

 O Grande Circo Místico, obra inspirada no poema de mesmo nome do poeta Jorge de Lima, do livro A Túnica Inconsútil (1938), foi composta por Chico Buarque e Edu Lobo especialmente para o Balé Teatro Guaíra, em 1982. A estreia ocorreu no Guairão, em março de 1983, e foi enorme sucesso no Brasil inteiro. A produção e realização deste espetáculo tem a parceria do Projeto Broadway – a primeira escola de teatro musical no Paraná.

Cine-Teatro Ópera

13 de novembro de 2022, às 20h

R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

A Mostra de Teatro – 50º Festival Nacional de Teatro (Fenata) é realizada pelo Ministério do Turismo – Secretaria Especial da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e pela Fundação de Apoio à UEPG (FAUEPG), com patrocínio da GMAD, Deragro – empresa do Grupo Lavoro, Belgotex do Brasil, Tratornew e Shopping Palladium. Conta ainda com o incentivo da Prefeitura de Ponta Grossa, por meio da Secretaria Municipal de Turismo (Setur) e Conselho Municipal de Turismo (COMTUR). O Fenata tem o apoio da Secretaria Municipal de Cultura, Teatro Marista Pio XII e Fecomércio – Sesc Estação Saudade; e promoção da RPC.

Texto: Sandrah Souza Guimarães / Fotos: Fenata (divulgação)

Via site UEPG

Escolas e instituições podem levar alunos ao Fenata gratuitamente, veja como

Espetáculos serão apresentados no Teatro Marista e no Sesc Estação Saudade

A Universidade Estadual de Ponta Grossa disponibilizou 3 mil ingressos gratuitos para os espetáculos para crianças da Mostra de Teatro – 50º Festival Nacional de Teatro (Fenata). As peças serão apresentadas no Teatro Marista entre os dias 08 e 11 de novembro, sempre às 14h. Para reservar os lugares, escolas e instituições devem fazer o cadastro pelo formulário online disponível no www.uepg.br/fenata – aba Inscrições.

Na terça-feira, 08, o espetáculo será ‘Coração em Chagas’, do Grupo de Teatro Científico da UEPG. A peça, recomendada para público a partir de 15 anos, apresenta a história e as descobertas do cientista Carlos Chagas, por meio de um olhar histórico, artístico, científico e, acima de tudo, humano. O contexto social e a vida cotidiana são a fonte de conhecimento para cientistas que amam, acima de tudo, as pessoas.

‘Coração em Chagas’. Foto Cristina Cresele

‘PaPeLê – uma aventura de papel’, da Téspis Cia de Teatro, de Itajaí/SC, é o espetáculo programado para o dia 10/11, quinta-feira. PaPeLê é um jogo onde cada criança pode criar a sua própria história. Utilizando-se do corpo, da música, de objetos, bonecos e projeções, a peça é uma grande brincadeira que parte de situações simples, do cotidiano, para transitar para um mundo de imaginação, onde cada um vai assumindo diversos personagens e situações. O papel é o material que vai se transformando e dando forma à narrativa conduzida pelas três figuras que interagem nesse universo lúdico e divertido do palco.

‘PaPeLê – uma aventura de papel’. Foto Max Reinert.

Fechando a agenda do Teatro Marista, a Cia Talagadá vem de Itapira/SP para apresentar a peça ‘Monstro e Cia.’. O espetáculo conta a história de um menino hostilizado pelas outras crianças por sua aparência diferenciada. Um dia ele decide fugir e encontra abrigo em uma casa velha e distante, mais excêntrica do que assombrada, onde acaba se identificando com os moradores, figuras peculiares, as quais lhe ajudam a redescobrir sua autoconfiança e a redefinir a conotação pejorativa da palavra “Monstro”. Trata-se de um espetáculo infantojuvenil inspirado nos tradicionais personagens das histórias de terror, porém, assumem uma releitura contemporânea fundamentada em algumas problemáticas da sociedade contemporânea, que permeiam tanto o universo das crianças quanto dos adultos, abordando por meio do teatro de bonecos temas como preconceito, discriminação e bullying de um modo poético e lúdico, comovendo e divertindo público de todas as idades.

‘Monstro e Cia’. Foto: João Bozzi.

Mostra Especial no Sesc Estação Saudade

Outro espaço que terá espetáculos gratuitos na próxima semana será o Sesc Estação Saudade, com peças abertas ao público sempre às 15h. No caso de grupos (escolas e instituições), o responsável deve fazer o agendamento também pelo formulário online no site www.uepg.br/fenata – aba Inscrições. Na terça-feira, 08, a peça será ‘Tucumã & Buriti’, do Grupo Jurubebas de Teatro, de Manaus/AM; na quarta-feira, 09, entra em cena ‘Fada Maria’, do Grupo Lampejo, de Ponta Grossa; na quinta-feira, 10, é a vez de ‘O Gari’, do grupo Circo Rodado, de Curitiba; e na sexta-feira, 11, o público vai poder assistir a ‘Eu, migo e meu umbigo’, de O Bando Pero no Mucho, de Santos/SP.

A Mostra de Teatro – 50º Festival Nacional de Teatro (Fenata) é realizada pelo Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e Fundação de Apoio à UEPG (FAUEPG), com patrocínio da GMAD, Deragro – empresa do Grupo Lavoro, Belgotex do Brasil, Tratornew e Shopping Palladium. Conta ainda com o incentivo da Prefeitura de Ponta Grossa, por meio da Secretaria Municipal de Turismo (Setur) e Conselho Municipal de Turismo (COMTUR). O Fenata tem o apoio da Secretaria Municipal de Cultura, Teatro Marista Pio XII, Fecomércio – Sesc Estação Saudade e Museu Campos Gerais; e promoção da RPC.

Texto: Eduardo Godoy / Fotos: Divulgação Fenata

Via site UEPG

UEPG anuncia peça de abertura do 50º Fenata com Vladimir Brichta e Julia Lemmertz

A comédia, que tem direção de Guilherme Weber, é uma das mais aclamadas peças em circulação no país neste ano

A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) anuncia, nesta sexta-feira (28), espetáculo que irá abrir a Mostra de Teatro – 50º Festival Nacional de Teatro (Fenata). A peça ‘Tudo’, da Quintal Produções do Rio de Janeiro, entra em cena em 08 de novembro, às 20h, o Cine-Teatro Ópera. No elenco, estão Vladimir Brichta, Julia Lemmertz, Dani Barros, Marcio Vito e Claudio Mendes. A direção é assinada por Guilherme Weber (atualmente na novela Cara e Coragem, da TV Globo).

A comédia Tudo, de autoria do dramaturgo argentino Rafael Spregelburd, é composta por três fábulas morais, como as de Esopo, porém sem animais, que investigam o indivíduo em confronto com o poder a partir de três perguntas: Por que todo Estado se torna burocracia? Por que toda Arte vira negócio? Por que toda Religião se torna superstição?.

A primeira fábula apresenta um grupo de funcionários vivendo suas rotinas em uma repartição pública, quando começam a questionar valores e alguns comportamentos absurdos. A segunda mostra uma família em um jantar de Natal, onde os convidados só darão início à ceia após uma contundente discussão sobre valores absolutos e particulares do mundo contemporâneo. A terceira traz um casal e seu filho recém-nascido, que fica doente em uma noite de tempestade.

Destaque no Festival de Teatro de Curitiba, onde fez sua estreia em abril deste ano, o espetáculo já foi visto por mais de 15 mil pessoas e é um dos mais comentados no Brasil em 2022 pela sua qualidade. Tudo está indicado em seis categorias do Prêmio Cesgranrio: melhor espetáculo, direção, ator, atriz, desenho de luz e cenografia.

“Escolhemos essa peça pelo sucesso que ela está tendo por onde passa, sendo uma comédia que fala sobre o nosso tempo, que gera reflexão de forma leve e divertida. Assim, o Fenata mostra que está antenado com o que de melhor está sendo produzido no teatro brasileiro”, conta Eduardo Godoy, produtor executivo do Fenata. Em Ponta Grossa será a 51ª vez do espetáculo se apresentar. “Isso é um marco simbólico muito relevante, pois, no ano em que o Fenata celebra 50 edições, a peça de abertura fará sua 51ª apresentação. Ou seja, ao mesmo tempo em que o Festival reconhece seu passado, ele continua olhando sempre para frente, planejando seu futuro”, destaca.

Os ingressos para o espetáculo de abertura serão limitados e estarão disponíveis a partir do dia 04 de novembro, às 10h, no quiosque do Fenata, que será instalado no Shopping Palladium. O valor será de R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia), exclusivamente em dinheiro ou Pix.

A Mostra de Teatro – 50º Festival Nacional de Teatro (Fenata) é realizada pelo Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e Fundação de Apoio à UEPG (FAUEPG), com patrocínio da GMAD, Deragro – empresa do Grupo Lavoro, Belgotex do Brasil, Tratornew e Shopping Palladium. Conta ainda com o incentivo da Prefeitura de Ponta Grossa, por meio da Secretaria Municipal de Turismo (Setur) e Conselho Municipal de Turismo (COMTUR). O Fenata tem o apoio da Secretaria Municipal de Cultura, Teatro Marista Pio XII, Fecomércio – Sesc Estação Saudade e Museu Campos Gerais; e promoção da RPC.

Teatro para Crianças

Segue aberto o cadastro para escolas e instituições que queiram levar seus alunos para assistirem aos espetáculos no Teatro Marista e no Sesc Estação Saudade, entre 08 e 11 de novembro, às 14h e 15h, respectivamente. O Fenata disponibilizou mais de 3 mil ingressos gratuitos para essas apresentações. O cadastro deve ser feito online pelo site www.uepg.br/fenata, na aba Inscrições. No formulário, o responsável pode ler a sinopse de cada peça para escolher o dia que queira levar os alunos. A confirmação será por ondem de inscrição, sujeito à lotação dos teatros.

Texto: divulgação Fenata  / Foto: Flávia Canavarro

Via site UEPG

Fenata oferta oficina inédita a grupos de teatro local

A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) ofertou, de 14 a 16 de outubro, oficina aos integrantes dos espetáculos locais selecionados para a Mostra de Teatro – 50º Fenata. Pela primeira vez, por meio da Diretoria de Assuntos Culturais (DAC-Proex), o Festival Nacional de Teatro ofertou aperfeiçoamento aos grupos teatrais participantes.

De acordo com a organização do Festival, o cenário teatral em Ponta Grossa vive uma ebulição nos últimos anos, perceptível pelo número de espetáculos inscritos nesta edição, que chegou a 11 peças locais. Ao perceber a necessidade de colaborar para que os grupos locais deem mais um passo neste processo, a UEPG ofertou a oficina como uma oportunidade de aprimoramento aos artistas.

A oficina, que aconteceu no Cine-Teatro Ópera e reuniu integrantes de quatro grupos de teatro, realizou atividades focadas na instrumentação dos atores e atrizes, como presença cênica, aterramento do corpo a serviço da fala, aquecimentos vocais, intenção e entonação.

Fátima Ortiz, diretora de teatro.

workshop foi ministrado pelas profissionais Fátima Ortiz e Juliana Spricigo, da Companhia Pé no Palco, de Curitiba. “Após o processo de curadoria do Festival, notamos estar diante de um momento importante de crescimento das atividades teatrais de grupo e de diferentes caminhos de pesquisa e envolvimento com o teatro na cidade. Assim, optamos por realizar um trabalho em busca de aprimoramento técnico e sensível nesta ação criativa que idealizamos a pedido da UEPG. O resultado foi sensacional”, conta Fátima, que possui mais de 50 anos de carreira no teatro e é uma das diretoras mais premiadas do Paraná.

Uma das participantes foi a atriz Michella França, do Grupo Dia de Arte, que teve três espetáculos selecionados para o Festival. Com mais de 20 anos de carreira, Michella conta que se sentiu entusiasmada por participar da formação. “Foi importantíssimo para os grupos de Ponta Grossa terem uma oficina direcionada ao aprimoramento e desenvolvimento dos seus trabalhos, além de ser maravilhoso vivenciar experiências com os outros grupos. Isso nos fez entender que precisamos muito desta troca para que os nossos trabalhos consigam estar sempre em evolução. Que venham muitas outras oficinas como essa”, comentou Michella.

Ana Almeida irá interpretar a personagem Fada Maria na Mostra Especial do 50º Fenata. Para ela, a oportunidade de participar da oficina foi um momento único. “Tivemos a chance de aprimorar e lapidar nossos conhecimentos sobre teatro a partir de uma visão muito sensível das oficineiras. O tempo passou voando com todas as atividades desenvolvidas de forma muito criativa, dinâmica e estimulante”, disse.

Juliana Spricigo, atriz.

“Trabalhamos muito a palavra, pois a emissão vocal foi onde identificamos maior necessidade de trabalho e treinamento. Todos saímos nutridos e transformados pelo processo, alimentados com o conhecimento adquirido e renovado – inclusive nós mesmas”, relata a atriz e oficineira Juliana Spricigo, especialista na área.

Para finalizar a ação, Fátima e Juliana realizaram um feedback com os grupos, a partir dos vídeos das peças enviados no momento da inscrição e da interpretação ao vivo de trechos de cada espetáculo. “Para nós, do Grupo Lampejo, foi agregador e impressionante, pela conexão que o grupo que estava presente conseguiu desenvolver. As observações do feedback trouxeram tópicos que ajudarão muito no crescimento de cada processo. Não há palavras para descrever a gratidão por essa experiência”, relata Levi Hilgemberge, que também atua na peça Fada Maria.

A Mostra de Teatro – 50º Festival Nacional de Teatro (Fenata) é realizada pelo Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e Fundação de Apoio à UEPG (FAUEPG), com patrocínio da GMAD, Deragro – empresa do Grupo Lavoro, Belgotex do Brasil, Tratornew e Shopping Palladium. Conta ainda com o incentivo da Prefeitura de Ponta Grossa, por meio da Secretaria Municipal de Turismo (Setur) e Conselho Municipal de Turismo (Comtur). O Fenata tem o apoio da Secretaria Municipal de Cultura, Teatro Marista Pio XII, Fecomércio – Sesc Estação Saudade e Museu Campos Gerais; e promoção da RPC.

Texto: Eduardo Godoy | Fotos: Proex e acervo pessoal

Via site UEPG


							

Coro Cidade de Ponta Grossa apresenta concerto especial para Dia das Crianças

A Prefeitura de Ponta Grossa promove na segunda e terça-feira (10 e 11), a partir das 19h30, no Cine-Teatro Ópera, o concerto ‘Todo mundo foi criança’, com o Coro Cidade de Ponta Grossa. As apresentações acontecem em comemoração ao Dia das Crianças, comemorado na quarta-feira (12).

“O concerto é uma homenagem que convida o público a cantar e se encantar com músicas que fazem e fizeram parte da infância de muitos grandões!”, afirma o secretário municipal de Cultura, Alberto Portugal, acrescentando que é uma oportunidade para toda a família celebrar a pluralidade sonora por meio da ludicidade, fantasia e imaginação.

Com regência de Édi Marques Góes, o concerto especial trará repertório bem variado com a temática infantil. Para a apresentação, o Coro também refez alguns arranjos de músicas conhecidas, buscando levar leveza e pluralidade de sonoridade.

O concerto terá ingresso social, que pode ser trocado na hora do evento por um brinquedo ou um pacote de doces. O Coro Cidade de Ponta Grossa foi criado em 2008 com a finalidade de promover o ensino e a prática de música em grupo e a difusão da arte musical. O grupo é reconhecido por sua multiplicidade de repertórios, indo do clássico ao popular, e também pela facilidade de adaptação aos mais diversos espaços de apresentação e públicos. 

Da Assessoria

SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA
Secured By miniOrange