Sexta às Seis terá Jerimoon e Jamp no dia 13

Show deveria ter acontecido em agosto, mas foi remarcado devido ao mau tempo

O Sexta às Seis tem sequência na próxima sexta-feira (dia 13), no Parque Ambiental, com as bandas Jerimoon e Jamp. Os grupos deveriam ter se apresentado no dia 25 de agosto, mas os shows foram adiados por conta da chuva naquele dia. O projeto é uma promoção da Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Cultura, e faz parte da programação dos 200 anos de Ponta Grossa.

Formada no início de 2015, a Jerimoon resgata canções dos “esquecidos da MPB”, como a banda classifica os escolhidos para o repertório. São músicas das décadas de 1970 e 1980. O intuito é despertar a sensação de nostalgia no público através de clássicos que há muito tempo não são tocados. Para isso, a banda criou um estilo próprio, chamado pelos integrantes de ‘Bregacore’, uma mistura de ritmos que envolve os clássicos do chamado brega nacional, reinventado em estilos como ska, punk e hardcore. A banda já se apresentou em diversos bares de rock de Ponta Grossa e região, além de participações no projeto Sexta às Seis, 9º Festival de Música de Ponta Grossa, com a Banda Lyra dos Campos, edições da München Fest, entre outros.

Já a Jamp surgiu em 2007, reunindo diversas influências musicais como pop rock, rock, reggae e rap em seu repertório. A banda se tornou conhecida no Paraná e Santa Catarina com apresentações em pubs, casas noturnas e outros eventos, ganhando destaque e abrindo shows de grupos como Capital Inicial, o Rappa, Ira!, Blindagem, entre outros. Em 2016, a Jamp lançou seu single ‘Azul Cristal’, que conta com a participação de Gazu – ex-Dazaranha. Em 2017 lançou o álbum ‘Gratidão’, que mistura pop rock, com uma pitada de reggae, rap e a essência da música sulista, com sanfona presente em várias músicas. Em 2020 lançou mais um projeto: “Ao vivo no Boteco da Estação”.

Sexta às Seis do dia 8 será na Concha Acústica

    O Projeto Sexta às Seis desta semana (dia 8) volta às origens. Os shows acontecem na Concha Acústica da Praça Barão do Rio Branco, onde vão se apresentar os ‘Astronautas do Passado’ e Alisson Camargo. A mudança ocorre apenas para esta data, devido à realização do Congresso de Educação e a Feira do Livro no Parque Ambiental. A promoção do Sexta às Seis é da Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Cultura, e faz parte da programação dos 200 anos de Ponta Grossa.

            Os Astronautas do Passado surgiram oficialmente em 2019, mas os integrantes já se conheciam e tinham tocado juntos anteriormente. A banda foi criada para a participação no Sexta às Seis daquele ano. Depois disso, eles decidiram continuar a tocar e compor. A partir daí, tocaram em bares de Ponta Grossa e compuseram novas músicas. Eles têm como influência o rock nacional, principalmente de bandas e artistas da década de 1980, como os Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho, Cássia Eller, Capital Inicial e Tim Maia. Também recebem influências de diversos artistas internacionais, como Stone Temple Pilots, The Doors, The Animals e, principalmente, Johnny Cash.

            Alisson Camargo é cantor, compositor, guitarrista e violonista com 16 anos de carreira. Nesse período, tem atuado na área artística e cultural em eventos, bares, restaurantes e festivais. Participou como compositor, vocalista e guitarrista das bandas Boa Noite Irene (2005) Camargo e Os Bacanas (2015-2022) e foi baixista na banda infantil Casa Cantante, entre 2019 e 2020. Ao longo desse período, Alisson Camargo já lançou CD, EPs e diversos vídeos clipes. Além disso, já abriu shows, em Ponta Grossa, de nomes como Guilherme Arantes e Biquíni Cavadão. Entre outras atividades, também já esteve presente em outras edições do Sexta às Seis e de outros eventos como a Efapi.

Concha Acústica volta a receber shows do Sexta às Seis, nesta semana

Rap e indie no Sexta às Seis

O Sexta às Seis da próxima sexta-feira (dia 1º) levará rap e indie para o Parque Ambiental com a apresentação do Gueg Ponta Rap e da cantora MUM. Os artistas  sobem ao palco a partir das 18 horas. O projeto é uma promoção da Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Cultura, e faz parte da programação dos 200 anos de Ponta Grossa. 

O Gueg Ponta Rap chega aos 30 anos de estrada em 2023. Começou seus trabalhos cantando suas primeiras letras em ano de 1993. Dois anos depois, em 1995, o grupo fez as primeiras apresentações em eventos locais, em vilas e bairros da cidade. De lá para cá, passou por diversas formações até chegar na atual com Gueg, no vocal , Gui Augusto fazendo acompanhamentos vocais, dobras e refrões, e o Banga controlando as músicas nos toca discos como DJ. Já participaram de vários encontros e festivais da cultura hip hop no Paraná. O grupo, em suas diferentes formações, gravou três CDs e atualmente prepara um novo trabalho. 

MUM é cantora, compositora e multiartista. Começou sua carreira musical em 2017, tendo seu primeiro EP, intitulado “Nebulosa”, lançado em 2019, seguido do single “Um corpo é um corpo”. O nome, MUM, é uma sigla para “Mais uma mulher”, significado que rege as composições da cantora sobre o que é ser mais uma mulher no mundo. Sua apresentação traz um conceito visual, composições impactantes e performance que entende como muito importantes na construção do show. Seu estilo musical permeia entre o indie rock e indie pop com algumas referências de música clássica (canto lírico e violino).

Jerimoon e Jamp se apresentam no Sexta às Seis


O Sexta às Seis tem sequência na próxima sexta-feira (dia 25) com a apresentação das bandas Jerimoon e Jamp. Os grupos sobem ao palco do Parque Ambiental a partir das 18 horas. O projeto é uma promoção da Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Cultura, e faz parte da programação dos 200 anos de Ponta Grossa. 

Formada no início de 2015, a Jerimoon resgata canções dos  “esquecidos da MPB”, como a banda classifica os escolhidos para o repertório. São músicas das décadas de 1970 e 1980. O intuito é despertar a sensação de nostalgia ao público através de clássicos que há muito tempo não são tocados. Para isso, a banda criou um estilo próprio, chamado pelos integrantes de ‘Bregacore’, uma mistura de ritmos que envolvem os clássicos do chamado brega nacional, reinventado em estilos como ska, punk e hardcore. A banda já se apresentou em diversos bares de rock de Ponta Grossa e região, além de participações no projeto Sexta às Seis, 9º Festival de Música de Ponta Grossa, com a Banda Lyra dos Campos, edições da München Fest, entre outros. 

Já a Jamp surgiu em 2007, reunindo diversas influências musicais como pop rock, rock, reggae e rap em seu repertório. A banda se tornou conhecida no Paraná e Santa Catarina com apresentações em pubs, casas noturnas e outros eventos, ganhando destaque e abrindo shows de grupos como Capital Inicial, o Rappa, Ira!, Blindagem, entre outros. Em 2016, o Jamp lançou seu single ‘Azul Cristal’, que conta com a participação de Gazu – ex-Dazaranha. Em 2017, lançou o álbum ‘Gratidão’, que mistura pop rock, com uma pitada de reggae, rap e a essência da música sulista, com sanfona presente em várias músicas. Em 2020, lançou mais um projeto: “Ao vivo no Boteco da Estação”. 

Beltane e Fire Hunter se apresentam no Sexta às Seis

A noite da próxima sexta-feira (dia 11) será de muito heavy metal no Parque Ambiental, quando as bandas Beltane e Fire Hunter se apresentam no Sexta às Seis. Os dois grupos prometem levantar o público com rock pesado. A promoção é da Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Cultura, e faz parte da programação dos 200 anos de Ponta Grossa. 

A Beltane é uma banda de heavy metal que surgiu em 1996, em Irati, depois se estabeleceu em Ponta Grossa. O estilo autoral da banda se caracteriza por um som pesado, direto e energético, influenciado pelos grandes clássicos do metal, progressivo e hard rock. Os temas centrais de suas músicas remetem a uma atmosfera folclórica, retratando crenças e celebrações dos povos antigos, aliado ao instrumental bem elaborado de melodias e refrãos marcantes. Já dividiu o palco com grandes bandas do cenário nacional e internacional, dentre elas Grave Digger, Raven, Dr. Sin, Torture Squad, André Matos, Raven, Shaman, dentre outras. A Beltane conta com três trabalhos de estúdio, dois álbuns e um EP. 

A Fire Hunter foi formada em 2000 com objetivo de compor heavy metal tradicional mesclado com heavy metal melódico. O significado do nome da banda (Caçador de Fogo, em português) remete a uma representação simbólica do fogo que se alia a um personagem que busca o renascimento, a renovação e pacificação de eventos da realidade. A banda possui dois discos gravados. O primeiro denominado “Arising From Fire”, lançado no ano de 2012, e o segundo “No Fear no Lies”, lançado no ano de 2014. Esse recebeu uma série de prêmios pela revista Roadie Crew para bandas nacionais. Foi classificado como o sexto melhor álbum do ano, segunda posição de melhor guitarrista e oitavo entre os melhores vocalistas. 

SOBRE O PROJETO

O objetivo do Sexta às Seis é divulgar e incentivar a produção musical local, promovendo o intercâmbio cultural entre os artistas. Até por esse motivo, é um dos projetos culturais mais importantes e prestigiados de Ponta Grossa. “Trata-se de um importante espaço para divulgação e apreciação da música local em suas várias vertentes”, destaca o secretário municipal de Cultura, Alberto Portugal.

Beltane leva ao Ambiental um heavy metal influenciado pelos clássicos
Fire Hunter vai apresentar um metal tradicional mesclado com melódico

LizeLize e Julio Mano se apresentam no Sexta às Seis

            Nesta sexta-feira (dia 4) acontece a terceira apresentação do Sexta às Seis 2023. Ocupam o palco do Parque Ambiental, desta vez, o grupo LizeLize e Julio Mano e Banda. A realização do projeto é da Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Cultura, e faz parte da programação de 200 anos de Ponta Grossa. As apresentações seguem até novembro, com 10 edições, totalmente gratuitas, para toda a comunidade ponta-grossense.

            A edição 2023 do projeto Sexta às Seis foi lançada no dia 12 maio, com show de abertura do ‘Ira!’, uma das maiores bandas da história do rock nacional, com abertura do grupo local ‘Ursos Caipiras’. A primeira apresentação dos aprovados no edital do projeto aconteceu no dia 7 de julho. Entre os grupos selecionados há diferentes estilos musicais, autorais ou cover, dando espaço a vários estilos. O objetivo é divulgar e incentivar a produção musical local, promovendo o intercâmbio cultural entre os artistas. “O Sexta às Seis é um dos mais importantes projetos culturais de Ponta Grossa e é sempre muito esperado pela comunidade e artistas, por se tratar de importante vitrine para os talentos locais”, destaca o secretário municipal de Cultura, Alberto Portugal.

Sobre as bandas

            A LizeLize foi formada em 2020. Começou fazendo cover de bandas de indie rock nacional e internacional, através das quais construiu um estilo próprio, tratando de temas como amor, juventude, política e assuntos subjetivos. A banda já participou e organizou diversos eventos na cidade, sempre tendo como objetivo a valorização das composições originais, além de dar espaço para que outros grupos também divulgassem o seu trabalho. A LizeLize possui, atualmente, quatro músicas disponíveis no Spotify, além de um EP em produção.

            Julio Mano é compositor, multi-instrumentista e cantor. Nasceu em 1995, em São Paulo. Mora no Paraná desde 2017 e atua no cenário musical na região de Ponta Grossa e Campos Gerais. É fundador da banda Fios de Baiano, também conquistou o 3º lugar na 33ª edição do Festival Universitário da Canção (FUC) da UEPG, com a música ‘Pobre Chavinho’. É também fundador do Sarau de Poesia ‘luau raiz quadrada’, na cidade de São Paulo-SP. O artista participou de vários projetos e parcerias musicais. Em maio de 2023, sua música ‘Fios de Baiano’ tocou na rádio KissFM.        

LizeLize traz a inspiração indie para o Sexta às Seis
Julio Mano faz a segunda apresentação da noite
SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA
Pular para o conteúdo Secured By miniOrange